Portal Educação: Parceria que capacita!

Curso online de Educação Infantil (Teorias e práticas pedagógicas)

A concepção do “ Erro ” no contexto escolar


O construtivismo de Piaget possibilita uma nova reflexão sobre o erro no contexto escolar. Nessa perspectiva, o desenvolvimento da criança ocorre pela invenção e descoberta e não necessariamente pela questão do erro e acerto. É importante que a criança tenha oportunidade de rever suas hipóteses, ideias, ações e pensamentos. Segundo o professor Lino de Macedo, do Instituto de Psicologia da USP, erros e acertos são inevitáveis no processo, não no sentido de rigor ou complacência excessiva, mas como coisas com as quais temos que lidar.

Na perspectiva formal, adulta, o erro é visto como coisa ruim, algo que deve ser evitado, punido. O processo torna-se, então, absoluto e acabado. Não se questiona o porquê, ou como a criança errou. Na concepção construtivista, o erro é necessário, faz parte do processo de construção, onde as estruturas mentais, os conceitos e as ideias são criados e incorporados pela criança por um processo de auto regulação. Este processo é adquirido pela revisão, reconsideração, regulação-corrigir ou manter, tendo em vista os resultados que se quer alcançar.

Para Piaget, erros e acertos são detalhes de nossa ação. Há aspectos que devem ser corrigidos, melhorados e outros que devem ser mantidos, o que importa é a ação física e a operação mental que a criança realiza. Segundo o professor Lino de Macedo (1990), a questão do
erro passa, na perspectiva construtivista, por três níveis de desenvolvimento, pois a consciência do que quer que seja é uma questão de grau e de nível de construção interna.

Nível 1 - Não há perspectiva consciente, o erro é recalcado e as respostas contraditórias não causam conflito ou problema para a criança.

Nível 2 - O erro aparece como um problema. Depois de tê-lo cometido, a criança o reconhece. As soluções ocorrem por ensaio e erro, por tentativa. As iniciativas exteriores de outras crianças ou adultos problematizam o erro.

Nível 3 - O erro é superado enquanto problema. A criança pode antecipá-lo, anulá-lo, ou seja, já dispõe de meios para pesquisá-lo ou corrigi-lo, adquirindo certa autonomia de pensamento.

Desta forma, pode-se compreender que aprender a ler e a escrever resulta da capacidade de perceber, estabelecer relações, construir hipóteses – interpretações e, principalmente, atuar no mundo como um ser autônomo, criador, capaz de promover suas próprias transformações.

Texto: Prof.ª Ms. Cláudia Marques Cunha Silva

Oba!!! Cruzadinha!

As crianças, simplesmente, AMAM!


Calendário de Julho



10 Brincadeiras Antigas para Resgatar Imediatamente


Criança hoje em dia só quer saber de videogame e jogos eletrônicos? Talvez, se ela só conhecer videogames e jogos eletrônicos! A verdade é que brincadeiras antigas podem interessar muito às crianças, bastando que haja um incentivo para isso. Vale a pena resgatar essas brincadeiras, experimentando divertimentos que fizeram a infância de tantas gerações, aproveitando ainda para desenvolver habilidades como consciência corporal, lateralidade, atenção e foco, controle de impulsos e habilidades sociais.
Aqui você encontrará sugestões de brincadeiras simples e divertidas para incorporar ao repertório das crianças.

1. PULAR CORDA

Faixa etária indicada: acima de 05 anos
Participantes: a partir de 03 para a modalidade abaixo, mas pode ser uma atividade solo
Habilidades envolvidas: Consciência corporal; Coordenação motora grossa; Ritmo; Lateralidade; Equilíbrio; Atenção e foco
Duas crianças (“batedores”) seguram cada uma em uma ponta da corda e começam a batê-la em sentido horário, enquanto uma terceira criança (ou uma terceira e uma quarta simultaneamente), posicionada entre as outras duas, salta toda vez que a corda tocar no chão. O ritmo das batidas pode variar de lento a rápido. É comum acrescentar à brincadeira uma música que envolva comandos que devem ser cumpridos pelo “saltador”. Um exemplo clássico:
Um homem bateu em minha porta
E eu abri
Senhoras e senhores: ponham a mão no chão
Senhoras e senhores: pulem de um pé só
Senhoras e senhores: dêem uma rodadinha
E vão pro olho da rua (comando para a criança sair e dar a vez ao colega)
Com crianças pequenas, há algumas variações possíveis:
“Cobrinha” (a partir de 02 participantes): segurando a corda por uma das pontas, um dos integrantes começa a girá-la rente ao chão, devendo a outra criança saltá-la. Essa atividade é semelhante à brincadeira do “jacaré”, ensinada pelo professor Robson Furlan neste vídeo.
“Cobrinha (II)” (a partir de 03 participantes): havendo dois batedores, cada um segura a corda por uma das pontas e, mantendo-a rente ao chão, começam a movimentá-la para a esquerda e para a direita, simulando o movimento de uma cobra. A terceira criança deve saltar a “cobra” sem encostar nela.


2. ESTÁTUA

Faixa etária indicada: acima de 04 anos
Participantes: a partir de 03
Habilidades envolvidas: Consciência corporal; Equilíbrio; Atenção e foco; Controle de impulsos
Um dos participantes – o “mestre” – toca uma música enquanto os outros dançam. O “mestre” interrompe a música de repente, e as demais crianças devem manter a última posição em que estavam. Vence quem conseguir manter a posição por mais tempo. Pode-se definir se dar risada conta como “mexida” ou não, pois, quando o “mestre” começar a andar por entre as crianças, fazendo caretas e tentando desconcentrá-las, vai ser difícil não cair na risada.

3. BOLA DE GUDE

Faixa etária indicada: acima de 04 anos
Participantes: a partir de 02
Habilidades envolvidas: Coordenação motora fina; Orientação espacial; Atenção e foco; Controle de impulsos; Raciocínio lógico; Habilidades sociais
Há muitas possibilidades de brincar com bolas de gude (inclusive as que seu filho mesmo pode inventar). Uma das mais simples é fazer um triângulo no chão, dispondo cerca de dez bolinhas no centro. De fora do triângulo, e com o dedo indicador rente ao chão, cada jogador lança sua “bola atiradora” (uma bola que se diferencie das outras pela cor ou pelo tamanho) contra as demais bolinhas, tentando “capturá-las”, ou seja, expulsá-las do triângulo. Os jogadores se revezam, vencendo quem capturar mais bolas.
Outra possibilidade é simular uma sinuca de bolas de gude, usando para isso uma mesa com copos plásticos presos junto às quinas, um palitinho para bater nas bolas e uma bola maior, ou de cor diferente, para ser a “bola branca”. Pode-se brincar também no chão, desenhando-se um retângulo e posicionando latinhas nos ângulos para coletar as bolas (se for possível brincar em chão de terra, faça buracos em vez de usar latinhas). Vence quem colocar mais bolas dentro dos vasilhames ou dos buracos.

4. ESCRAVOS DE JÓ

Faixa etária indicada: acima de 04 anos
Participantes: a partir de 04
Habilidades envolvidas: Ritmo; Lateralidade; Atenção e foco; Controle de impulsos; Memória auditiva de curto prazo
Assentadas no chão, formando uma roda, as crianças devem passar o objeto que têm em mãos para o vizinho à direita e receber, com a esquerda, o objeto da criança à esquerda.
Aparentemente muito simples, essa brincadeira é na verdade bastante desafiadora: basta ver que muitas vezes os participantes se perdem nos comandos, ou não seguem o ritmo da música, “embolando” a sincronização. Por isso, talvez seja necessário treinar isoladamente os movimentos antes de cantar a música.
Supondo que o objeto selecionado para a brincadeira seja um copo plástico, vale a pena treinar com a criança, previamente, os seguintes movimentos:
  • Erguer e abaixar o copo até o chão, cantando uma musiquinha para ajudar a manter o ritmo do movimento, ex:“sobe o copo, desce o copo, sobe o copo, desce o copo”;
  • Pegar o copo oferecido pela criança à esquerda e passá-lo para a criança à direita (“pega e passa, pega e passa”). É bom que esse movimento não ocorra no ar, mas no chão, mantendo-se o copo à frente da criança, pois é mais difícil manter o ritmo quando o movimento é executado no ar;
  • Treinar o movimento de zigue-zague, ou seja: sem soltar o copo, leva-lo à direita, à esquerda e à direita novamente, cantando o“zigue-zigue-zá”.
Quando os movimentos já estiverem treinados, comece a cantar a música, combinando o ritmo da melodia à execução dos movimentos:
Escravos de Jó jogavam caxangá (cada criança passa o objeto para a criança à sua direita. Lembre-se: realizando o movimento no chão, o objeto à frente do corpo, fica mais fácil manter o ritmo)
Tira, (erguer o objeto)
põe, (pôr o objeto no chão)
deixa ficar (as crianças dão as mãos)
Guerreiros com guerreiros (voltar a passar o objeto para a criança à direita)
fazem zigue, (colocar o objeto à frente do corpo à direita, sem soltar)
zigue, (colocar o objeto à frente do corpo à esquerda, sem soltar) 
 (colocar o objeto à frente do corpo à direita)
[Repetir: “Guerreiros com guerreiros”…]
Com crianças mais novas, de 4 ou 5 anos, pode-se propor uma variante mais simples, que consiste em passar o objeto para a direita durante a música, seguindo o ritmo, e, ao cantar “zigue-zigue-zá”, manter o objeto parado no chão, com a mão direita sobre ele.

5. CABANINHA

Faixa etária indicada: acima de 02 anos
Participantes: a partir de 02
Habilidades envolvidas: Habilidades sociais; Imaginação e criatividade
Poucas brincadeiras conseguem ser mais simples e estimular tanto a imaginação quanto essa. Com lençóis e o apoio de uma mesa e cadeiras, monte uma cabaninha. Dentro dela, as crianças podem colocar colchonetes, almofadas, ou até fazer divisórias, dependendo do espaço disponível. É uma boa idéia reunir-se à noite na cabaninha com lanternas para contar histórias, simular um acampamento etc.

6. DANÇA DAS CAVEIRAS/TUMBALACATUMBA

Faixa etária indicada: acima de 04 anos
Participantes: a partir de 02
Habilidades envolvidas: Consciência corporal; Coordenação motora; Atenção e foco; Ritmo; Memória auditiva de curto prazo
Canta-se a música e as crianças devem fazer mímica das ações das caveiras (a melodia pode ser facilmente encontrada na internet):
Quando o relógio bate a uma
Todas as caveiras saem da tumba
Tumba alá catumba
Tumba alá catá.
Quando o relógio bate as duas
Todas as caveiras saem pras ruas
Tumba alá catumba
Tumba tá alá catá.
  • Três – jogam xadrez
  • Quatro – tiram o sapato
  • Cinco – apertam o cinto
  • Seis – imitam chinês
  • Sete – mascam chiclete
  • Oito – comem biscoito
  • Nove – dançam o rock
  • Dez – lavam os pés
  • Onze – andam de bonde
  • Doze – fazem pose
  • Uma – voltam para as tumbas

7. ESCONDE-ESCONDE

Faixa etária indicada: acima de 06 anos
Participantes: a partir de 03
Habilidades envolvidas: Orientação espacial; Controle de impulsos; Habilidades sociais
Uma das crianças fará o papel de perseguidor, tapando os olhos e contando até cem enquanto os outros se escondem. Após terminar de contar, o perseguidor vai atrás dos demais. Quem for encontrado e tocado pelo perseguidor fica fora do jogo.
Há variações dessa brincadeira, como o pique-esconde: o perseguidor não precisa tocar no jogador, mas apenas gritar seu nome, depois de avistá-lo, e sair correndo para o “pique” – neste caso, o jogador flagrado também correrá em direção ao pique, saindo a salvo se chegar lá antes do perseguidor.

8. CASINHA

Faixa etária indicada: acima de 02 anos
Participantes: a partir de 02
Habilidades envolvidas: Controle de impulsos; Raciocínio lógico; Habilidades sociais
Como a “Cabaninha”, essa brincadeira é muito simples e ajuda a desenvolver habilidades sociais. Você pode ceder utensílios para serem utilizados na “casinha”, ou seus filhos podem produzi-los usando sucata. A simulação da vida real é uma ótima maneira de despertar na criança a noção de responsabilidade.

9. BAMBOLÊ

Faixa etária indicada: acima de 03 anos
Habilidades envolvidas: Consciência corporal; Coordenação motora grossa; Equilíbrio; Orientação espacial; Lateralidade; Ritmo
Com um pouco de treino, as crianças (especialmente as meninas) conseguem manter o bambolê girando em volta da cintura. Pode-se tocar uma música durante a brincadeira. Se houver mais de uma criança, vence quem mantiver o bambolê no ar por mais tempo, devendo a outra pagar prenda.

10. CANTIGAS ACUMULATIVAS

Faixa etária indicada: acima de 03 anos
Habilidades envolvidas: Atenção e foco; Controle de impulsos; Ritmo; Memória auditiva de curto prazo
Aprender essas canções, além de ser um ótimo passatempo, desenvolve a memória auditiva de curto prazo, a atenção e a consciência fonológica de seu filho. Dentre as canções cumulativas mais conhecidas, podemos citar “A velha a fiar”, “A árvore da montanha”, “Fui visitar minha tia em Marrocos”, “Lá em casa” e “Meu galo”.






Fonte: http://comoeducarseusfilhos.com.br

Aspectos desenvolvidos na psicomotricidade funcional (coordenação motora, lateralidade, noção espaço temporal).



“Todas as experiências da criança (o prazer, a dor, o sucesso ou fracasso) são sempre vividas corporalmente. Se acrescentarmos valores sociais que o meio dá ao corpo e a coerção de suas partes, este corpo termina por ser investido de significações, de sentimentos e de valores muito particulares e absolutamente pessoais”
 (VAYER, 1984, P.76).

 A psicomotricidade no desenvolvimento da criança visa favorecer o desenvolvimento cognitivo, afetivo-social e psicomotor procurando envolver jogos e atividades lúdicas para proporcionar um processo de ensino-aprendizagem significativo. Ela existe em tudo que é movimento, seja atividades ou jogos, que auxilia a desenvolver a motricidade das crianças, para conseguir dominar seu próprio corpo, cabe ao desenvolvimento global uma maneira essencial para constituir um corpo uniformemente desenvolvido.

“A infância é um período muito intenso de atividades: as fantasias e os movimentos corporais ocupam quase todo o tempo da criança. ” (FREIRE 1989)

Os anos iniciais favorecem a criança que está em fase de crescimento atividades prazerosas, respeitando sempre suas características individuais.

“A Psicomotricidade é hoje concebida pela integração superior da motricidade, produto de uma relação entre a criança e o meio e instrumento através do qual a consciência se forma e se materializa”.  (FONSECA 1988)

O estudo dos benefícios que Psicomotricidade na Educação Infantil pode proporcionar, tem uma imensa importância, assim os profissionais da área precisarão de uma nova atuação, como conhecer o indivíduo em desenvolvimento, atendendo suas necessidades, respeitando suas limitações e individualidades de cada um.

Com o brincar a criança perde seus pavores, desesperos angústias e impasses. Brincando a criança entra em um novo mundo de aprendizagem, onde ela cria, desenvolve e estimula sua curiosidade, seu conhecimento e suas habilidades, além de desenvolver o pensamento, concentração e sua atenção.

Brincar é o melhor método para tal desenvolvimento, suas potencialidades e caminhar, de descoberta em descoberta, cria respostas de soluções e aprende com cada vivência e experiências com as demais. Ao descobrir algo novo, a criança aguça sua curiosidade, passando a manifestar, através das formas mais variadas de expressão (brincadeiras, desenhos, moldagens e músicas), as bases de sua personalidade em desenvolvimento.

O desenvolvimento da criança vem através do mover, da sua criatividade, do seu ver as coisas como uma forma de aprender, tendo em vista buscar uma forma onde a criança se desenvolva suas habilidades, proporcionando e contribuindo para seu melhor desempenho.

As atividades que as crianças exercem estão sempre em andamento e adaptações, mas cheias de objetivos. Observamos esses objetivos através de seu comportamento, quanto no seu desenvolvimento motor, quanto no mental.

“A criança faz-se entender por gestos nos primeiros dias de sua vida, e até o momento da linguagem o movimento constitui quase que a expressão global de suas necessidades. ” (FONSECA, 1998, p.216)

Na visão de Piaget, segundo La Taille et al. (1992), as crianças são capazes de reconhecer e, especialmente de representar, somente aquelas formas que possam reconstruir efetivamente a partir de suas próprias ações. Já tem a capacidade de se sobressaírem em atividades onde o movimento é feito pelo seu próprio corpo, o andar, o pular, o saltar delimita uma habilidade de instinto, não havendo necessidade de adaptar seus movimentos. O mover-se ajuda na aquisição do cognitivo da criança. Segundo ele a motricidade desempenha papel vital na inteligência antes da aquisição da linguagem, o que distingue a sua posição das afirmações de Wallon.

Desde o nascimento há uma fusão afetiva que se expressa através de fenômenos motores, organizando-se posteriormente o que ele vem chamar de diálogo tônico, representando tanto um investimento corporal, quanto afetivo. A diferença para Piaget é estrutural, onde qualquer ação se qualifica como estrutura afetiva, enquanto que o esquema como organização sensório-motora constitui uma estrutura cognitiva. (WALLON apud LA TAILLE et al., 1992)

A psicomotricidade em si, visa demonstrar o quanto é importante desenvolver na criança os seus aspectos de vida no seu comportamento se relacionando a criança com seu próprio corpo. O movimento está com a criança desde quando ela nasce, suas estruturas vão se desenvolvendo a partir de alguns elementos que se trabalhados auxiliam no desenvolvimento desta até a sua maturação completa.

Existem três componentes básicos ao procedimento do ensino-aprendizagem: o esquema corporal, a lateralidade e a orientação espaço-temporal.

Esquema Corporal
É o conhecimento do seu próprio corpo, de suas atitudes, postura e de seus movimentos que o corpo pode fazer, tanto em repouso, quanto em movimento. A etapa do corpo vivido se dá pela vivência do movimento, a visão do corpo como um todo.
O esquema corporal apresenta quatro etapas: O Corpo Vivido; O Conhecimento das Partes do Corpo; A Orientação Espaço-Temporal e a Organização Espaço-Corporal. No estágio do ‘corpo vivido’, o saber emotivo do corpo, e do espaço termina com a aquisição de numerosas praxias, que permitem a criança perceber seu corpo como peça completa no mecanismo da relação. (LE   BOULCH 1986, p.71)

Lateralidade
A dominância lateral se define ao crescer da criança, por fatores neurológicos que acontecem durante seu crescimento e por seus hábitos.

É ao redor dos 04 anos, que a preferência   lateral   da   criança   se   afirma.   Alguns   têm, já   nesta   idade, a   predominância do lado esquerdo, que se reforça progressivamente, outras a tem do lado direito, que também vai se reforçando. (LE BOULCH  1987 p.61)

O bebê quando nasce não tem opção por nenhum lado do corpo, ele posiciona seus membros de acordo com o lado que sua cabeça estará virada. No terceiro mês o bebê já começa a movimentar do mesmo modo os membros, logo tendo sua dominância por um de sua preferência.

Quando a lateralidade está definida é considerada homogênea, cruzada quando implica em resultados criados em lados opostos ou ambidestra á medida que resulta em eficiência em ambos lados.
A lateralidade pode ser de quatro tipos:

Ocular: Refere-se à movimentação dos olhos. Quando se movimentam mais concentradamente, e o outro mais disperso.

Manual: Refere-se à movimentação da mão e dos dedos. Agilidade da mão, mais praticidade na escrita.

Pedal: Relaciona-se a movimentação dos pés, quando chuta uma bola, quando o usa como apoio e o outro uma diferente ação.

Auditiva: Diz respeito a capacidade de ouvir. No qual se atende um telefonema, quando sempre se olha para o mesmo lado: o dominante.

O desenvolvimento da definição da lateralidade caminha junto com uma boa escrita, englobando a sentido espacial e temporal. Quando a criança começar a ter preferência por algum lado, não mude, apenas trabalhe com este dominante para melhorar no seu andamento.

Orientação Espaço-Temporal

É a visão do seu corpo no meio, a consciência deste em relação a coisas e pessoas. É o espaço onde o indivíduo organiza objetos, se organiza para executar seus movimentos e até mesmo locomover-se.

É uma tomada e percepção de diversas situações do individuo organizar as coisas que estão a sua volta, movimentando-as. Está dividida em quatro etapas: o conhecimento das noções, a orientação espacial, a organização espacial e a compreensão das relações espaciais. (LE BOULCH 1987)

Para as fases do processo de desenvolvimento da orientação temporal, engloba também o ritmo, que contém consciência de ordem, de sucessão, de duração e de alternância. Para Claude Coste (1992, p.62), “o ritmo é o fator de estruturação temporal que sustenta a adaptação ao tempo”.

O ritmo representa uma sistematização das manifestações que acontecem consecutivamente, tanto no aspecto motor quanto ao perceber os sons da linguagem. Sendo assim se situando tanto no passo da percepção como ao da motricidade.

A orientação no tempo adequado, fará com que o movimento se encaixe no espaço e seja possível executar o seu deslocamento ou de um objeto.

Nas crianças é muito importante frisar a necessidade de trabalhar a noção deste espaço para que ela se desenvolva com sucesso e diversão, ou seja, ela desenvolva brincando.



Distância, velocidade e tempo são três necessários componentes para a estruturação temporal da criança ou indivíduo.

Ao formar a noção do espaço temporal além de reconhecer o próprio corpo, nos possibilita movimentar se sequencialmente, e também encontra e situa as partes do corpo em um determinado espaço.

Dominação de gestos, estruturação temporal e orientar-se temporalmente são três importantes princípios da escrita.


A contribuição da psicomotricidade nos anos iniciais é de grande significância pois é trabalhada de maneira expressiva e relaciona diretamente com o corpo da criança, desenvolvendo assim mais profundamente todas as etapas do processo do desenvolvimento. Por meio das atividades as crianças além de se divertirem irão aprender a criar, inventar, e a se relacionar melhor com o meio social.