Portal Educação: Parceria que capacita!

Curso online de Educação Infantil (Teorias e práticas pedagógicas)

Leiturinha: parceria que encanta!

Indisciplina

A pertinência da relação
Professor X Aluno
Uma análise disciplinar



A indisciplina gerada no ambiente escolar tem sido alvo de vários questionamentos por parte dos profissionais da educação, pois tornou-se um dos entraves diante deste processo, no que se refere ao fazer pedagógico como um todo.

O educador parece não dispor mais da devida autonomia dentro da sala, enfrentando problemas como falta de respeito, baixo rendimento da turma e falta de interesse em relação aos conteúdos ministrados.

Frente a esta realidade que o cerca, ele, no objetivo de solucionar a questão, acaba apostando em metodologias frustradas e ineficazes.

Uma delas é o castigo como forma de repressão, cujo resultado, muitas vezes, é a própria repulsa por parte do educando, instaurando com isso um clima de competitividade entre a convivência, no qual nada contribui para que a problemática seja amenizada.

Diante disso, torna-se interessante repensar sobre a atuação docente, uma vez que a indisciplina pode ter raízes na relação professor X aluno. O fato se comprova partindo do princípio de que o relacionamento pautado no respeito mútuo e na cooperação são requisitos básicos para a concretude dos objetivos almejados.

Para isto, algumas medidas tendem a colaborar para a eficácia dos resultados com base nos seguintes princípios:

# Diante de um problema surgido em sala, o aluno espera o dinamismo, a autenticidade do professor frente às tomadas de decisões, sem que estas impliquem a participação de algum membro relacionado à parte administrativa da entidade, como diretor, coordenador pedagógico, entre outros.

# Procurar manter a autoridade sem demonstrar autoritarismo é imprescindível para que o aluno se sinta “sujeito” de sua própria vivência, onde o respeito será algo conquistado paulatinamente, não algo imposto por meio de regras previamente determinadas.

# Promover situações-problemas, propiciando um clima de reflexão a respeito de “possíveis” conflitos, procurando sempre fazer com que os educandos se coloquem no lugar da pessoa afetada. Tal medida aprimora o caráter e a personalidade, como também valoriza a importância do poder de decisões.


Enfim, frente a esta postura, não significa que o educador deve se redimir do seu verdadeiro papel, possibilitando com isso a desordem, mas que no mínimo sua didática esteja adequada ao universo de seu público-alvo e que suas relações estejam voltadas a favorecer gradativamente um ambiente de respeito e reciprocidade, com base em princípios morais e éticos.


Por Vânia Duarte
Graduada em Letras
Equipe Brasil Escola

5 Comentários:

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> disse...

Realmente a indisciplina é um grande problema nas nossas salas de aula. Segundo um estudo realizado, entre os professores, os maiores problemas das salas de aula são a indisciplina e a desmotivação.

Ana Paula Ruggini Zarpelon disse...

Olha graças ao meu bom Deus e aos meus esforços (rs), nunca tive problema com indisciplina em minhas turmas. Consigo propor trabalhos em grupos e atividades externas sem problemas! E todos sabem porque os professores evitam este tipo de prática, porque gera indisciplina! Mas isso só acontece com turmas que já são indisciplinas!
Adorei as dicas...

Abraços!
Ana Paula
http://alfabetizacaoconsciente.blogspot.com

FABIOLA disse...

VOCE COMO SEMPRE CERTA EM CHEIO O QUE NÓS, EDUCADORAS, BUSCAMOS.
PARABÉNS PELA POSTAGEM!

ABRAÇOS
FABIOLA
MOGI DAS CRUZES

Sonia Regina disse...

Oi Tatiana
Só conseguiremos ter uma educação exemplar qdo tivermos mais pessoas como você, tão comprometida com ela.
Parabéns pelo belo trabalho que nos apresenta.
Abraços
Sonia Regina de Paiva
Itumbiara GO

Anônimo disse...

olá tatiana!
Como sempre sando ótimas dicas para nós. rsrs Graças a Deus ñ me lembro de ter tido grandes problemas com indisciplinas ,porém é sempre bom ter boas idéis.
Parabéns pelo su lindo blog!
Bjs